História do Para-raios: Quem Inventou e Como Funciona

0

Controlar a energia elétrica mudou o curso da civilização. Entre muitas outras descobertas, o para-raios representa um marco fundamental. A ideia de Benjamin Franklin permitia atrair raios para pontos que não eram perigosos.

 

As pessoas geralmente ficam confusas e associam o para-raios com Edison, o inventor da lâmpada. Mas, na realidade, essa medalha deve ser pendurada no pescoço do cientista e político Benjamin Franklin, uma das primeiras pessoas a propor o horário de verão como uma medida para economizar energia.

Experimento

 

A paixão de Franklin por pesquisar eletricidade levou-o a prestar atenção a um fenômeno que passara despercebido por muitos outros antes dele. Um dia, ele estava empinando uma pipa quando foi atingido por um raio que a queimou, o que levou o engenhoso pesquisador a se perguntar se seria possível atrair raios de alguma forma.

 

Ele então amarrou uma chave de metal em suas pipas e continuou a subí-las em dias de tempestade até que em 15 de junho de 1752 , ele foi capaz de capturar outro raio. A eletricidade desceu a corda da pipa até alcançar a chave. Foi assim que ele demonstrou que era possível atrair raios para estruturas metálicas, evitando que outros elementos fossem atingidos.

 

Um ano depois, em 1753, começaram a instalar os primeiros para-raios. Barras metálicas de cinco a dez metros de comprimento com ponta de cobre ou platina (materiais com alta condutividade elétrica). Sua instalação progressiva em telhados nos Estados Unidos (e mais tarde no resto do mundo) ajudou a salvar inúmeras vidas e evitou incêndios.

Uma vez que o raio esteja preso, a barra de metal continua na forma da linha de condução . Esta linha foi feita com barras de metal ou fios de cobre. Em qualquer caso, sua função é levar eletricidade ao solo. Um dissipador, que nada mais é do que uma extensão dessa linha, foi colocado no subsolo. Lá, a eletricidade do raio é diluída e absorvida sem prejudicar ninguém.

A evolução com Nikola Tesla

 

Choveu (e trovejou) muito desde que Franklin teve sua grande ideia. No entanto, quase 300 anos depois, existem muitos para-raios em todo o mundo que continuam sendo usados ​​exatamente como ele os projetou. Uma barra de metal com uma ponta de cobre, a linha de condução também tem cobre e um dissipador subterrâneo.

 

No entanto, este esquema sofreu revisões importantes. Em 1918, Nikola Tesla , descobridor da corrente alternada, aperfeiçoou a invenção. Ele percebeu que a ponta do para-raio ionizava o ar e, por essa razão, atraía o raio. 

 

No entanto, ao mesmo tempo, converteu o ar circulante em um condutor, o que poderia causar danos incontroláveis. Foi assim que o para-raios com um ponto de coleta e base ampla foi fundado, o que era muito mais seguro que o original.

 

Mais tarde, a combinação de novos materiais e novas tecnologias acrescentou mais sofisticação ao para-raios, que, para funcionarem da melhor maneira precisam passar por etapas essenciais, desde a elaboração do laudo de para-raio até a instalação, de fato, do sistema.

2 Curiosidades sobre o para-raios

 

  1. A Torre Eiffel foi projetada como um gigantesco para-raios: na verdade, foi projetada como um laboratório para todos os tipos de pesquisa científica, embora especialmente para testar teorias sobre eletricidade e meteorologia. Este para-raios, com mais de 325 metros de altura, recebe uma média de 5 descargas atmosféricas por ano. 

 

  1. Os guindastes não são à prova de raios: o princípio do para-raios baseia-se na combinação da carga elétrica negativa de uma tempestade com a carga elétrica positiva da Terra. O raio é atraído por condutores de metal. Isso também se aplica a estruturas metálicas, como guindastes, que se tornam um enorme coletor de raios.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.